Desde a sua criação, o Espírito eterno atravessou vários períodos em seu processo evolutivo, reencarnado em espécies inferiores no reino vegetal e animal, até atingir o grau evolutivo para reencarnar como o homem, a raça humana que conhecemos como o Homo sapiens. Durante as etapas iniciais deste processo evolutivo, nós vivemos as experiências reencarnatórias em espécies de animais irracionais dos sexos macho e fêmea e mesmo hermafroditas, adquirindo as experiências inerentes a cada um dos sexos. Na etapa mais avançada, reencarnando desde a idade das cavernas em corpos físicos masculinos ou femininos, até a atual, conseguimos então aprimorar os nossos sentimentos e a inteligência, entre outros atributos, todos necessários ao nosso processo evolutivo. Portanto, para todos os indivíduos existentes, trazemos em nossa alma os frutos das experiências em corpos masculinos e femininos, com as qualidades que cada uma delas pode apresentar. Por isto, na visão Espírita, a verdadeira sede de nossa sexualidade está em nossa alma, que nos acompanha em todas estas etapas evolutivas, e não no corpo físico, perecível, que nos serve apenas como uma vestimenta provisória durante uma existência aqui na Terra.

Na erraticidade, geralmente mantemos a forma perispiritual de nossa última encarnação, assim também como a nossa personalidade, predominantemente masculina se a experiência foi em corpo de homem ou predominantemente feminina, se o corpo escolhido foi de mulher. A desencarnação não nos torna assexuados. A nossa personalidade se mantém com todos os seus atributos.

Neste processo reencarnatório, o mais comum é o Espírito, por muitos séculos, reencarnar apenas como homem ou apenas como mulher até decidir que seja necessário para o seu processo evolutivo passar a reencarnar em outro tipo de corpo físico (inversão sexual), a fim de adquirir as qualidades específicas que o homem ou a mulher possibilitam para o nosso aprendizado. Para aqueles que possam ficar preocupados com a questão da inversão sexual, ou seja, reencarnar como homem e depois como mulher e vice versa, existe um consenso entre todos os estudiosos do assunto de que isto nenhum mal nos ocasiona. Ninguém se torna homossexual devido a esta inversão sexual, mas sim, quando ela ocorre, não foi devido à inversão sexual em si, mas ao processo de reeducação sexual para conter e disciplinar aqueles que fracassaram em sua sexualidade em existência anterior à presente, como o abuso de suas funções genésicas. Ou seja, o homem que nunca respeitou as mulheres e as explorou sexualmente, poderá em uma nova etapa reencarnatória, nascer em um corpo feminino como forma de aprender neste novo corpo a respeitar a mulher. De forma similar também a mulher, se destruidora de lares que explorou de forma irresponsável a sua sexualidade, poderá em uma nova existência, reencarnar em uma forma masculina para também aprender a respeitar o homem. Em ambos os casos, são experiências difíceis e devemos todos respeitar os irmãos e irmãs que vivenciam esta experiência tão dolorosa. Ser fraterno e solidário sempre, mas fazer entender que não existe um terceiro sexo. Só existem dois, de polaridades opostas. Recalcitrar no mal, nas práticas homossexuais, é retardar a ascensão espiritual.

Importante ressaltar que certos missionários preferem renascer em corpos físicos de polaridade opostas a sua característica sexual predominante, ou seja, uma alma feminina reencarnado em um corpo masculino ou vice-versa, como forma de suprimir a sua sexualidade e concentrar-se em tarefas que irão beneficiar toda uma sociedade. Mas estes são casos raros. Esclarecemos que em qualquer corpo físico recebemos uma dádiva de Deus, uma oportunidade de desenvolvermos a nossa espiritualidade e inteligência, o respeito ao próximo e as Leis que regem todo o universo. Aproveitemos, portanto, da melhor forma possível, esta existência!

Sobre o autor

Álvaro Augusto VargasLorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Aliquam ut varius felis. Proin convallis metus ac quam pharetra, ut dapibus ligula dapibus. Etiam vel viverra ipsum. Proin tempor ante non ante pellentesque vehicula. Nunc aliquam laoreet augue quis tristique. Aliquam eu hendrerit turpis. Integer placerat sem velit, vitae mollis massa dignissim et.