“... Se Deus julgou conveniente lançar um véu sobre o passado, é porque isso devia ser útil...” “... Deus nos deu, para nosso adiantamento, justamente o que nos é necessário e pode nos bastar, a voz da consciência e nossas tendências instintivas, e nos tira o que poderia nos prejudicar...” (Capítulo 5, item 11, O Evangelho segundo o Espiritismo)

Refere Hammed “a Natureza em nós é força de progresso, e os homens evoluem sempre”; no entanto a maioria dos homens que vive no planeta terreno apresenta grande dificuldade de mudança, de adaptação a novos contextos e situações, como se a mudança fosse algo errado, punitivo, vergonhoso ou ameaçador. De tempos em tempos o fluxo de novas idéias aparecem no planeta ou no meio em que cada um se encontra; essas mudanças são importantes fatores de progresso das almas.

Ressalta que “certas pessoas se orgulham ao proclamar-se conservadoras esquecendo-se de que o comodista, por medo ou estagnação, perde sua liberdade por não querer correr o risco de sair do lugar-comum. Estão sempre lembrando uma época de felicidade, suspirando por sonhos antigos que não se realizaram, revivendo o passado, repisando as suas e as opiniões erradas dos outros e justificando-se agarradas às lembranças de vidas passadas”. Esta forma de agir representa um entrave no processo evolutivo delas. Por essa razão muitas vezes a espiritualidade permite os acontecimentos inesperados, de ordem individual ou coletiva, muitas vezes dolorosos, porque sabe da importância do despertamento e da continuidade evolutiva para cada um.

A cada encarnação, e mesmo a cada situação nova, que exige mudanças e adaptações novas, cada pessoa encarnada na Terra angaria profundos ensinamentos, acumula novos valores intelectuais e emocionais, tornando-a diferente do que era no pretérito. A vida dá a cada um constantes oportunidades de reformulação nas suas concepções.

No entanto, a cada nova encarnação na Terra o véu do esquecimento nos acompanha e não lembramos das vidas anteriores, justamente para evitar o nosso comodismo ou o reascender dos velhos sentimentos de culpas ou ranços que dificultam o desenvolvimento da nossa capacidade de amar. O esquecimento é uma benção que reaproxima os inimigos, dando-lhes nova oportunidade de se abraçarem, no papel de pais e filhos, por exemplo.

Na presente encarnação, no entanto, devido ao fato das lembranças estarem presentes, muitos preferem o comodismo do bem-estar vivido na infância e não querem crescer para enfrentar novos desafios da vida adulta. São aqueles que esperneiam diante dos problemas e dificuldades e permanecem no saudosismo do pretérito, investindo pouco esforço para avançar no processo evolutivo.

Diz Hammed “ficamos retidos nas idéias e conceitos que nos foram válidos em determinadas épocas de nossa vida; atualmente, porém, é preciso renovação e libertação dos ranços do pretérito em favor de um presente atuante e vantajoso”.

"O momento presente é o ideal para o nosso progresso, e nós só podemos sentir o aqui e o agora, pois tentar sentir o ontem é ressentir; por conseqüência, nem sempre são válidas e autênticas nossas emoções do ontem para avaliação do nosso tempo presente. Essencialmente, a voz da consciência e as nossas tendências instintivas são os melhores meios de ação” Fonte: Renovando Atitudes – Francisco de Espirito Santo Neto – Ditado por Hammed - Boa Nova Editora – 1997 Catanduva, SP.

Sobre o autor

Maria Antônia PaduanLorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Quisque commodo mattis urna ac dapibus. Aliquam vitae tortor tristique, fermentum sapien vitae, tempus urna. Morbi fringilla nec lectus vel aliquam. Nulla facilisi. Orci varius natoque penatibus et magnis dis parturient montes, nascetur ridiculus mus. Quisque eu egestas quam. Aenean porttitor rhoncus enim. Quisque tincidunt posuere sapien.